Google+ Badge

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

MANGOSTÃO E DIABETES TIPO II

O texto seguinte, é uma tradução do original em inglês, do Dr. J. Frederic Templeman

A diabetes é um tema complexo para tratar adequadamente numa brochura como esta, portanto, a minha dissertação sobre o tema será limitada apenas a conceitos gerais.

Na realidade, existem várias patologias associadas ao termo diabetes. A medicina tem definidos pelo menos três grandes tipos (tipo I, II e diabetes tipo gestacional), mas estou convicto de que nos próximos anos,outras patologias distintas serão identificadas, como descreverei mais tarde.

Nesta publicação, eu tratarei apenas da diabetes tipo II, por vezes também chamada não insulino
dependente ou diabetes de adulto, embora, esses termos não sejam exactos e devam deixar de ser usados num futuro próximo.

A diabetes é uma doença metabólica e esta descrição, merece uma explicação. O metabolismo,
refere-se a praticamente todos os processos químicos envolvidos na manutenção da vida. Digestão dos
alimentos, manutenção e reparação dos tecidos e produção de energia, são apenas três dos principais
elementos, sendo as mesmas, as funções metabólicas mais afectadas pela diabetes.

A alimentação é essencialmente composta por,  hidratos de carbono, proteínas e gorduras. Embora cada
tipo de alimento possa ser decomposto de forma a produzir energia necessária para a manutenção e reparação de tecidos.

Os hidratos de carbono (ou amidos) são excelentes fontes de energia prontamente disponível.

As proteínas são materiais principalmente estruturais, mas também são utilizados como enzimas no organismo.

A gordura é um veículo eficiente de armazenamento de energia, embora ela também tenha outras funções. Por exemplo, é o principal componente de todas as membranas celulares e os blocos de construção básicos das hormonas sexuais.

Num cenário ideal (pessoa normal livre de doença), a ingestão equilibrada dos 3 elementos anteriormente descritos, resulta numa excreção eficiente dos resíduos. É importante notar, no
entanto, que simplesmente extrair energia dos nossos alimentos produz grandes quantidades de partículas químicas nocivas, chamados radicais livres. Estas partículas, causam danos celulares generalizados, mas as funções de manutenção e reparação do organismo mantêm-se eficientes e, em caso de boa saúde, a maioria dos danos são reparados. Não são, no entanto, todos reparados. Permanece um défice de danos não reparados, que se acumulam lentamente ao longo dos anos, causando o processo de degeneração progressiva, a que nós chamamos de envelhecimento. No entanto, o envelhecimento é outro tópico, e apenas o referi porque a diabetes afecta consideravelmente o processo da reparação, e assim, acelera precocemente o envelhecimento.

Os hidratos de carbono, são digeridos no tubo digestivo, nas formas em que são encontrados nos
alimentos. Um dos elementos mais simples em que eles são reduzidos, é a glicose. A glicose é chamada de açúcar simples e, é o combustível preferido de todas as células do corpo. Por exemplo, o cérebro, só pode usar como combustível a glicose. A glicose é metabolizada em energia, em minúsculas fábricas chamadas mitocôndrias, as quais, apenas existem no interior das células. Portanto, obter glicose nas células de forma eficiente, é fundamental para uma boa saúde.

A insulina, é uma hormona produzida pelas células do pâncreas, chamadas células beta. A insulina,
em quantidade suficiente, é essencial para obter glicose do exterior da célula para dentro da célula.
(A única excepção a essa regra são as células musculares, que têm a capacidade única de absorver
glicose sem insulina durante o exercício). Assim, ter insuficientes níveis de insulina para obter glicose suficiente através da membrana celular dentro da célula, é o defeito fundamental da diabetes.

Na diabetes tipo I, as células beta do pâncreas, foram destruídas, e o corpo não pode produzir qualquer insulina. Se não for injectada insulina, morremos.

Na diabetes tipo II, as células beta do pâncreas continuam a produzir insulina. Na verdade, na maior parte dos diabéticos tipo II, o pâncreas produz ainda mais insulina de base do que o pâncreas de um não diabético. Portanto, o problema da insulina surge apenas,quando as células do organismo desenvolvem uma situação denominada resistência à insulina e exigem maior quantidade de insulina do que era necessária anteriormente.

A resistência à insulina é um defeito complexo, que exige muito mais concentração de insulina no sangue, a fim de permitir glicose para as células. Estas maiores concentrações de insulina no sangue causam ao paciente diabético, fome, porque a insulina estimula o apetite. Uma vez que a causa básica da resistência à insulina é a obesidade, um ciclo vicioso pode ocorrer; a obesidade provoca um aumento da resistência à insulina… resistência à insulina exige uma maior quantidade de insulina para obter glicose nas células… os elevados níveis de insulina circulante causam um aumento do apetite, o que leva a um maior consumo alimentar, o que aumenta a obesidade, que por sua vez aumenta a resistência à insulina e assim por diante.

Não admira, que os diabéticos se sintam desencorajados quando estão quase sempre famintos e não é suposto comerem muito! Além disso, há um defeito na forma rápida, na forma como o pâncreas dos diabéticos liberta insulina em resposta à ingestão alimentar. Em pessoas normais, os níveis de insulina têm lugar poucos minutos após o início da ingestão de alimentos, e os níveis de glicose voltam ao normal dentro de 1-2 horas após a ingestão. Nos diabéticos, o aumento da insulina necessária atrasa e o açúcar no sangue não volta ao normal duas horas após a ingestão.
Esta elevação após-refeição da glicose, tem sido associada a complicações cardiovasculares da
diabetes, (ataques cardíacos e derrames cerebrais).

Em resumo, a diabetes deve-se à insuficiência de insulina, não permitindo glicose para as células.

Apesar dos diabéticos do tipo II produzirem mais insulina que uma pessoa normal, pelo menos no início da doença, não têm insulina suficiente. Eles têm uma relativa deficiência de insulina. A glicose não entra na célula em quantidade suficiente e os seus níveis aumentam no sangue. O nível de açúcar no sangue é, o que os diabéticos verificam quando picam os dedos, para teste Se o único defeito da diabetes, fosse a incapacidade de obter glicose suficiente nas células, já seria suficientemente mau, mas isso, é apenas parte do problema. Níveis elevados de glicose são extremamente tóxicos. Directa e indirectamente, causam inúmeros problemas graves.

Infelizmente, na minha experiência, a maioria dos diabéticos não percebem como são perigosos esses outros problemas, ou eles seriam bem mais cuidadosos na gestão da sua alimentação e na prática regular de exercício físico.


CONSIDEREM ESTES FACTOS:

- Os diabéticos têm o dobro da taxa de mortalidade dos não diabéticos;
- Os diabéticos têm entre 2 a 4 vezes, mais ataques de coração e derrames cerebrais mesmo que
tenham o mesmo nível de colesterol dos não diabéticos;
- A diabetes é a principal causa não traumática, das amputações dos membros inferiores;
- Os diabéticos são 6,2% da população, mas fizeram parte dos 19% de mortes acima dos 25 anos em 1999 (450.000 pessoas);
- A diabetes é a causa mais comum de insuficiência renal, que requerem hemodialise.
- Os diabéticos têm 40% mais probabilidades de ter glaucoma, 60% mais propensos a ter cataratas e retinopatias. Os diabéticos por si só, representam até 24.000 novos casos de cegueira por ano;
- 70% dos diabéticos, terão danos no sistema nervoso que poderão causar:


1. neuropatia periférica dolorosa dos membros superiores e inferiores;
2. sindromas da compressão nervosa, como a do túnel do carpo;
3. problemas como inchaço, diarreia, constipação e assim por diante;
4. grandes deformações nos pés;
5. impotência.


- As mães diabéticas, têm abortos espontâneos em 15-20% das gravidezes e, são a maior causa de
defeitos congénitos, entre 5-10% de nascimentos;
- 35% dos diabéticos terão graves doenças de pele: erupções, infecções (aparelho urinário, …)
descoloração da pele, etc.;
- 35% dos diabéticos, terão graves doenças resultando na perda dos dentes;
- 73% dos diabéticos, têm pressão arterial elevada;


Preocupantes, estes factos, são o mínimo que se pode dizer. Na minha opinião, tudo o que possa ser feito
para melhorar a qualidade de vida dos diabéticos, deve ser posto em prática.

MANGOSTÃO E DIABETES TIPO II


Os pacientes que usam suplementos do mangostão, reportam:
- Diminuição dos rápidos níveis de açúcar no sangue;
- Diminuição das 2 horas pós-refeição dos níveis de açúcar no sangue;
- Diminuição do apetite e mesmo perda de peso;
- Diminuição da medicação hipoglicémica;
- Diminuição de dores da neuropatia.


Só posso especular sobre os vários modos de acção do mangostão, pois nenhumas experiências relevantes em laboratório ou ensaios humanos ainda existem. No entanto, estou convencido de que os resultados clínicos das xanthones, agem para reduzir a resistência à insulina, o defeito nuclear na diabetes tipo II. Além disso, os alemães tratam a neuropatia periférica com antioxidantes, e todas as complicações diabéticas, sem excepção, envolvem danos provocados pelos radicais livres. Portanto, é razoável concluir, que o poder antioxidante do mangostão, também é evidente nos resultados relatados.

DOSE RECOMENDADA


30 ml, três vezes ao dia, após as refeições, até os resultados aparecerem.
Posteriormente, reduzir gradualmente para a dose de manutenção de 30 ml diários.


O Dr. Templeman é um médico dos cuidados primários, com mais de vinte anos de experiência clínica.

Como Director da Phytoceutical Medical Research, o Dr. Templeman é responsável pelo desenvolvimento de projectos de investigação, bem como, a avaliação dos dados clínicos. Ele é procurado internacionalmente como orador e autor sobre saúde, nutrição, e as propriedades curativas do mangostão.

O Dr. Templeman viaja regularmente ao sudeste asiático, onde criou inúmeras parcerias com cientistas de vários países, a fim de fazer uma pesquisa mais aprofundada sobre o mangostão e as poderosas Xanthones.

Para além das suas actuais responsabilidades, oferece regularmente os seus serviços como médico voluntário nos países do terceiro mundo, fornecendo ajuda médica essencial para a pobreza que
atinge as comunidades isoladas.

O Dr. Templeman e sua esposa Michele são os pais de 10 crianças e residem actualmente no Utah,
Estados Unidos da América.

Sem comentários:

Enviar um comentário